Download Projeto Estrutural de Edifícios de Concreto Armado - José Milton De Araújo.pdf PDF

TitleProjeto Estrutural de Edifícios de Concreto Armado - José Milton De Araújo.pdf
TagsBeam (Structure) Nonlinear System Books Physics Physics & Mathematics
File Size523.9 KB
Total Pages50
Document Text Contents
Page 2

JOSÉ MILTON DE ARAÚJO


Professor Titular – Escola de Engenharia da FURG
Doutor em Engenharia





















PROJETO ESTRUTURAL DE EDIFÍCIOS




DE CONCRETO ARMADO




















Editora DUNAS

Page 25

Projeto das vigas da subestrutura contraventada 69

escada

L201

L202 L203

L204

L205

L206 L207

L208

L209

L210

L211 L212

L213

L214

L215 L216

L217

7,48

3,87

3,87

7,48

3
,7

1

3
,6

7

3
,7

1

3
,6

7

7,48

4,80

4,80

7,48

3
,7

1
3

,7
1

4,29

4,29

4
,9

0

2
,6

8

4
,9

0

2
,6

8

5,94

5,94

4
,9

0
4

,9
0

4,80

4,80

4,80

4,80

3
,7

7
3

,7
7

2,75

2,75

4
,4

9

1,95

1,95

1,95

1,95

1
,9

5
1

,9
5

4,80

4,80

1
,9

5
1

,9
5

1,95

1,95

1,95

1,95

1
,9

5
1

,9
5

4,80

7
,4

8

4,80

4,80 4,80

4,80

3
,9

0




Fig. 5.1.2 – Peso das paredes sobre as vigas do pavimento tipo (em kN/m)

Page 26

Capítulo 6





AÇÕES HORIZONTAIS NA
SUBESTRUTURA DE CONTRAVENTAMENTO





6.1 – Determinação das forças de arrasto

A ação do vento no edifício é calculada de acordo com a NBR-6123 [12]. Para
isto, consideram-se os seguintes dados adicionais:

- o edifício está localizado no subúrbio de uma grande cidade, em terreno
plano;
- as edificações vizinhas são do mesmo porte ou mais baixas que o edifício
considerado, havendo diversas casas inseridas entre os edifícios;
- a velocidade básica do vento para o local da edificação, obtida do gráfico de
isopletas da NBR-6123, é 45oV m/s.

Na fig. 6.1.1, indicam-se as dimensões do edifício, medidas a partir da
superfície do terreno.

y

x

B

11,23m 17,15m

8,53m 2,85m

4,
80

m
26

,1
5m

30
,9

5m

Vista A Vista B

25,75

0,50

31,45

11,23m

17
,1

5m

A

Planta




Fig. 6.1.1 – Dimensões do edifício

O cálculo apresentado a seguir segue o procedimento indicado na NBR-6123.


Fator topográfico S1: Como se trata de terreno plano, 0,11S .

Page 49

BIBLIOGRAFIA CITADA


ARAÚJO, J. M. Curso de Concreto Armado. 4 v., 4. ed., Rio Grande: Editora Dunas,
2014. Citação no texto: “Volume 1”, “Volume 2”, “Volume 3”, Volume 4”.



REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


1. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-6118: Projeto de

Estruturas de Concreto. Rio de Janeiro, 2014.

2. ARAÚJO, J. M. Avaliação do parâmetro de instabilidade para os edifícios altos.
Revista Teoria e Prática na Engenharia Civil, Rio Grande: Ed. Dunas, n.15, p.41-
53, Abril 2010. Disponível em: <www.editoradunas.com.br/revistatpec>.

3. AMERICAN CONCRETE INSTITUTE. Building Code Requirements for Structural
Concrete (ACI 318M-11) and Commentary. 2011.

4. COMITÉ EURO-INTERNATIONAL DU BÉTON. Code-modèle CEB/FIP pour les
Structures en Béton. Bulletin d’Information 124/125, Paris, 1978.

5. COMITÉ EURO-INTERNATIONAL DU BÉTON. CEB-FIP Model Code 1990.
Published by Thomas Telford, London, 1993.

6. ARAÚJO, J. M. Avaliação dos métodos simplificados para cálculo de lajes
maciças apoiadas em vigas flexíveis. Revista Teoria e Prática na Engenharia
Civil, Rio Grande: Ed. Dunas, n.12, p.1-11, out. 2008. Disponível em:
<www.editoradunas.com.br/revistatpec>.

7. COMISIÓN PERMANENTE DEL HORMIGÓN. Instrucción de Hormigón
Estructural. EHE. Madrid, 2007.

8. Araújo, J.M. Avaliação dos procedimentos de projeto das lajes nervuradas de
concreto armado. Revista Teoria e Prática na Engenharia Civil, Rio Grande: Ed.
Dunas, n.3, p.15-25, jun. 2003.

Disponível em: <www.editoradunas.com.br/revistatpec>.

9. LEONHARDT, F., MÖNNIG, E. Construções de Concreto. Rio de Janeiro:
Interciência, v.1, 1977; v.3, 1978.

10. COMITÉ EUROPEU DE NORMALIZAÇÃO. NP EN 1992-1-1. Eurocódigo 2:
Projecto de estruturas de Betão – Parte 1-1: Regras gerais e regras para
edifícios. Março, 2010.

11. SÜSSEKIND, J. C. Curso de Concreto. v.1. Porto Alegre: Ed. Globo, 1980.

12. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-6123: Forças
Devidas ao Vento em Edificações. Rio de Janeiro, 1988.

13. FUSCO, P. B. Técnica de Armar as Estruturas de Concreto. São Paulo: PINI,
1995.

14. MOLINARI NETO, M. A. Um modelo realístico para a análise de pórtico plano
solidário a paredes de alvenaria, submetido a carregamento quase estático,
monotônico e crescente. Dissertação de Mestrado, Porto Alegre: PPGEC,
UFRGS, 1990.

Page 50

Projeto Estrutural de Edifícios de Concreto Armado 306

15. ARAÚJO, J.M. Métodos simplificados para consideração dos efeitos de segunda
ordem no projeto de pilares de concreto armado. Revista do IBRACON, São
Paulo: IBRACON, n.27, p. 3-12, nov./dez. 2001.

16. ARAÚJO, J. M. Algumas considerações sobre o projeto da nova NBR-6118.
Revista Engenharia, Ciência e Tecnologia, Vitória: UFES, v.5, n.1, p.3-10,
jan./fev. 2002.

17. ARAÚJO, J. M . Pilares esbeltos de concreto armado. Parte 2: Verificação dos
métodos simplificados da NBR-6118. Revista Teoria e Prática na Engenharia
Civil, Rio Grande: Ed. Dunas, n.19, p.25-35, maio, 2012. Disponível em:
<www.editoradunas.com.br/revistatpec>.

18. MACKERTICH, S.; ASWAD, A. Lateral deformations of perforated shear walls for
low and mid-rise buildings. PCI Journal, p. 30-41, Jan.-Feb., 1997.

19. COMITÉ EUROPEU DE NORMALIZAÇÃO. NP EN 1998-1. Eurocódigo 8:
Projecto de estruturas para resistência aos sismos – Parte 1: Regras gerais,
acções sísmicas e regras para edifícios. Março, 2010.

20. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Alvenaria estrutural.
Blocos cerâmicos. Parte 1: Projeto. Parte 2: Execução e controle de obras. NBR-
15812. Rio de Janeiro, 2010.

21. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Alvenaria estrutural.
Blocos de concreto. Parte 1: Projeto. Parte 2: Execução e controle de obras.
NBR-15961. Rio de Janeiro, 2011.

22. PROENÇA, J. M.; MANSO, J.; GUERREIRO, L.; OLIVEIRA, C. S. Contributo das
paredes de alvenaria para o comportamento sísmico de estruturas de betão
armado. Pesquisa e recomendações para modelagem e análise. SÍSMICA 2007
– 7º Congresso de Sismologia e Engenharia Sísmica. Portugal, 2007.

23. TANAKA, E. S. A. S. Influência da alvenaria dotada de aberturas na rigidez
global de um edifício. Dissertação de mestrado, Unicamp, Campinas, 2011.

24. MADIA, F. C. A. R. Estudo de pórticos preenchidos com alvenaria. Dissertação
de mestrado, UFSCar, São Carlos, 2012.

25. AL-CHAAR, G. Evaluation strength and stiffness of unreinforced masonry infill
structures. US Army Corps of Engineers, Jan. 2002.

26. CLOUGH, R. W.; PENZIEN, J. Dynamics of Structures. McGraw-Hill, 1975.

27. FERTIS, D. Dynamics and Vibration of Structures. John Wiley & Sons, 1972.

28. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR-15421: Projeto de
Estruturas Resistentes a Sismos. Rio de Janeiro, 2006.

29. AMERICAN SOCIETY OF CIVIL ENGINEERS. Minimun design loads for
buildings and other structures. ASCE Standard ASCE/SEI 7-10. USA, 2010.

30. TARANATH, B. S. Reinforced Concrete Design of Tall Buildings. CRC Press,
Boca Raton, Fl, US, 2010.

31. EARTHQUAKE ENGINEERING RESEARCH INSTITUTE. At Risk: The seismic
performance of reinforced concrete frame buildings with masonry infill walls.
Publication number WHE-2006-03, Oakland, California, 2008.

Similer Documents