Download Moreira, M. B. & Hubner, M. M. C. (2012). Fundamentos de Psicologia Temas Classicos de Psicologia Sob a Otica Da Analise Do Comportamento PDF

TitleMoreira, M. B. & Hubner, M. M. C. (2012). Fundamentos de Psicologia Temas Classicos de Psicologia Sob a Otica Da Analise Do Comportamento
File Size10.1 MB
Total Pages226
Document Text Contents
Page 1

Fundamentos de Psicologia

TEMAS CLÁSSICOS DA PSICOLOGIA
SOB A ÓTICA DA ANÁLISE
DO COMPORTAMENTO

COORDENAÇÃO
Maria Martha Costa Hübner
Márcio Borges Moreira

EDITORES DA SERIE

Edwiges Ferreira de Mattos Silvares

Francisco Baptista Assumpção Junior

Léia Priszkulnik

a
GUANABARA

KOOGAN

Page 2

Sumário

1 Bases Filosóficas e Noção de Ciência cm
Análise do Comportamento, 1

2 Apendizagem, 20

3 Percepção e Atenção, 42

4 Memória, 56

5 Motivação, 74

6 Sentimentos, 88

7 Linguagem, 100

8 Pensamento e Criatividade, 116

9 Desenvolvimento Humano, 129

10 Personalidade, 144

11 Psicopatologia, 154

12 Cultura e Liberdade, 167

13 Consciência e Autoconhecimento, 188

índice Alfabético, 208

9
GUANABARA

KOOGAN

w w w . g r u p o g e n . c o m . b r
http://gert-io.grupogen.com .br

http://www.grupogen.com.br
http://gert-io.grupogen.com.br

Page 113

Sentimentos 99

íicaria de maiores investigações, mas que certamente indica
D5 caminhos para essas novas pesquisas.

H á m uito ainda a ser investigado sobre as contin­
gências relacionadas com os sentimentos e seus relatos.

Neste capítulo, pretendeu-se introduzir o leitor à visão do
analista do comportam ento a respeito dos sentimentos,
além de descrever alguns avanços obtidos por pesquisas
nessa área.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Banaco RA. O acesso a eventos encobertos na prática clínica:
um fim ou um meio? Revista Brasileira de Terapia Compor­
tamental e Cognitiva, 1, 135-142, 1999.

Baum WM. Compreender o Behaviorismo: ciência, comporta­
mento e cultura. Porto Alegre: ArtMed, 1999. (Originalmente
publicado em 1994.)

Brandão MZS. Os sentimentos na interação terapeuta-cliente
como recurso para a análise clínica. In: Kerbauy RR (Org.),
Sobre comportamento e cognição. Santo André, SP: ESETec,
v. 5, pp. 222-228, 2000.

latania AC. Aprendizagem: comportamento, linguagem e cognição.
Porto Alegre: ArtMed, 1999. (Originalmente publicado em
1998.)

Tatania AC, Matthews BA, Shimoff EH. Properties of rule-
governed behavior and their implications. In: Blackman DE,
Lejeune H (Orgs.). Behaviour analysis in theory and practice.
Hillsdale, NJ: Erlbaun, pp. 215-230, 1990.

Chippari M, Tomanari GY, Hamasaki EIM, Coelho IL, Murata
CA. As opiniões/sentimentos de universitários em relação
a tarefas consequenciadas positivamente e negativamente.
Anais da XXIVReunião Anual de Psicologia — Sociedade Brasi­
leira de Psicologia (SBP), Ribeirão Preto, SP, 2004.

Darwich RA, Tourinho EZ. Respostas emocionais à luz do
modo causal de seleção por consequências. Revista Brasileira
de Terapia Comportamental e Cognitiva, 7, 107-118, 2005.

ie Rose JCC. O relato verbal segundo a perspectiva da análise
do comportamento: contribuições conceituais e experimen­
tais. In: Banaco RA (Org.). Sobre comportamento e cognição.
Santo André, SP: ARBytes, v. 1, pp. 148-163, 1997.

Delitti M, Meyer SB. O uso de encobertos na prática clínica
da terapia comportamental. In: Rangé B (Org.). Psicote-
rapia comportamental e cognitiva de transtornos psiquiátricos.
Campinas, SP: Editorial Psy, pp. 269-274, 1995.

Dimidjian S, Hollon SD, Dobson KS, SchmalingKB, Kohlen­
berg RJ, Addis ME, Gallop R, McGlinchey JB, Markley DK,
GoUan JK, Atkins DC, Dünner DL, Jacobson NS. Random­
ized trial of behavioral activation, cognitive therapy, and
antidepressant medication in the acute treatment of adults
with major depression. Journal o f Consulting and Clinical
Psychology, 74(4), 658-670, 2006.

Engelmann A. Os estados subjetivos: uma tentativa de classificação
de seus relatos verbais. São Paulo: Ática, 1978.

Estes WK, Skinner BE Some quantitative properties of anxiety.
Journal o f Experimental Psychology, 29, 390-400, 1941.

Garcia-Serpa FA, Meyer SB, Del Prette ZAP. Origem social do
relato de sentimentos: evidência empírica indireta. Revista
Brasileira de Terapia Comportamental e Cognitiva, 5, 21-29,
2003.

Guedes ML. Equívocos da terapia comportamental. Temas em
Psicologia, 1(2), 81-85, 1993.

Jacobson NS, Hollon SD. Cognitive-behavior therapy versus
pharmacotherapy: now that the jury’s returned its verdict, it’s
time to present the rest of the evidence. Journal o f Consulting
and Clinical Psychology, 64(1), 74-80, 1996.

Meyer SB. Sentimentos e emoções no processo clínico. In:
Delitti M (Org.). Sobre comportamento e cognição. Santo
André, SP: ESETec, v. 2, pp. 181-187,2001. (Originalmente
publicado em 1997.)

Silva AS, Banaco RA. Investigação dos efeitos do reforçamento,
na sessão terapêutica, sobre três classes de respostas verbais
do cliente. Revista Brasileira de Terapia Comportamental e
Cognitiva, 2, 123-136, 2000.

Skinner BF. The operational analysis of psychological terms. In:
Skinner BF. Cumulative record. New York, NY: Appleton-
Century-Crofts, pp. 272-286, 1961. (Originalmente publi­
cado em 1945.)

Skinner BE Ciência e comportamento humajio. Brasília: Editora
da Universidade de Brasília, 1967. (Originalmente publi­
cado em 1953.)

Skinner BF. Contingencies o f reinforcement: a theoretical analysis.
New York: Appleton-Century-Crofts, 1969.

Skinner BE About behaviorism. New York, NY: Alfred A. Knopf,
1974.

Skinner BF. Comportamento Verbal. São Paulo: Cultrix, 1978.
(Originalmente publicado em 1957.)

Skinner BF. Why we are not acting to save the world. In: Skinner
BF. Upon further reflection. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-
Hall, pp. 1-14, 1987.

Skinner BF. Questões recentes na análise comportamental.
Campinas, SP: Papyrus, 1991. (Originalmente publicado
em 1989.)

Tourinho EM. Eventos privados em uma ciência do comporta­
mento. In: Banaco R (Org.). Sobre o comportamento e cognição.
Santo André, SP: ARBytes, v. 1, pp. 174-187, 1997.

Page 114

HH

O
H-l
P

L i n g u a g e m

Maria Martha Costa Hübner ■ Elízeu Borlotí ■ Paola Almeida ■ Adriana Cunha Cruvínel

“Nenhuma consideração sobre comportamento hu­
mano estará completa se não incluir a atividade ver­
bal do homem. E a forma de comportamento mais
elevada e valiosa; mais que nenhuma outra o distin­
gue dos animais inferiores; e nela estão entesouradas
a herança cultural da filosofia, da ciência, da arte e
da tecnologia, e, a partir dela, efetua-se a transmissão
desse conhecimento acumulado de geração a geração.
N a realidade fo i o comportamento verbal que tor­
nou esse conhecimento possível” (Keller, Schoenfeld,
1950, p. 393).

Qualquer teoria que se proponha a explicar o compor­
tamento humano terá a linguagem como o seu principal
desafio e interesse, tanto pela im portância quanto pela
complexidade deste fenômeno. A ciência proposta por
B. F. Skinner, conhecida como Análise do C om porta­
mento, aceitou esse desafio produzindo uma importante
obra, o livro Verbal Behavior (Skinner, 1957). Atual­
mente, estudos enfocando múltiplos aspectos desse tema,
por exemplo, gramática e sintaxe (Palmer, 1998), signifi­
cado e compreensão na escuta (Lowenkron, 2004), música
(Hübner, 2007), fonética (Yoo, Bennett, 2000), litera­
tura (Grant, 2005), pensamento e cognição (Lana, 2002)
e discurso (Borloti, Iglesias, Dalvi, Silva, 2008), podem
ser encontrados no corpo de conhecimentos produzidos
nessa ciência. Este capítulo tem o objetivo de apresentar a
proposta behaviorista radical para o estudo da linguagem,
tendo como referência a proposta skinneriana para tal e
expor dados de investigações experimentais acerca do
comportamento verbal.

O texto divide-se de acordo com as duas direções dos
avanços do conhecimento sobre relações verbais na Análise
do Comportamento. A primeira trata de definições concei­
tuais acerca dos chamados operantes verbais, incluindo
as extensões e as fusões, e apresenta estudos que inves­
tigam procedimentos específicos para o desenvolvimento
de alguns desses repertórios. A segunda refere-se a limites
e possibilidades de controle do com portam ento verbal
sobre o não verbal, atendo-se, especificamente, para aí
implicações do estabelecimento de repertórios verbalmente
controlados, ou o chamado comportam ento governadc
por regras.

PRESSUPOSTOS DA PROPOSTA
BEHAVIORISTA RADICAL PARA

O ESTUDO DA LINGUAGEM
Como ciência, a Análise do Comportamento tem por

objetivos a previsão, o controle e a interpretação do fenô­
meno comportamental. A filosofia dessa ciência é o Beha­
viorismo Radical, assim definido por chegar à raiz dos
determinantes do comportamento humano. Essa raiz esc.
firmemente sustentada no monismo, no contextualismc
e na análise funcional (Owen, 2003).

A Análise do Com portamento é monista por afirmar
que tudo o que fazemos é comportamento (mesmo aquilc
que não sabemos que fazemos); e tudo isso que fazemos
tem uma única natureza, não importa se o comportamento
é verbal/simbólico, complexo, privado, consciente ou não.
É contextualista por afirmar que o significado de qualquer

Page 225

Fundamentos de Psicologia

JU N G E REICH
Articulando Conceitos e Práticas

ORGANIZÁDORKS
Pjulo Albprtini
I.1UM VilIaresdcFr

i-undarnentos de Psicologia

PSICOPATOLOGIA
Aspectos Clínicos

coorofNaçào
Francisco BaptitU A*»vmp<ão Junic

Page 226

Fundamentos de Psicologia

CLÁSSICOS DA PSICOLOGIA
>B A ÓTICA DA ANÁLISE

DO COMPORTAMENTO

A coletânea Temas clássicos da psicologia sob a ótica da Análise do Comportamento
comprova que, também no Brasil, o trabalho dos behavioristas tem se
expandido continuam ente desde a chegada de Fred S. Keller à USP em 1961.

Prof. Dr. João Claudio Todorov

Ao fazer a transição dos temas clássicos da Psicologia - muitos deles já
empregados na linguagem cotidiana - para seus campos de estudo em Análise
do Comportamento, o livro possibilita ao aluno navegar com mais facilidade
pelos domínios desta disciplina, sem que a linguagem técnica e específica da
área lhe cause, de início, tanta estranheza.

Profa. Dra. Deisy das Graças de Souza

A essência do livro está em seu propósito original: levar temas clássicos da
psicologia, tais como memória, atenção, linguagem, liberdade e pensam ento,
para a Análise do Com portam ento - um a abordagem científica, m oderna e de
sucesso no m undo atual. Essa ideia se originou do grupo de colaboradores da
obra, todos pesquisadores, que foram geniais e didáticos na execução da
proposta! Penso que estamos diante de um m oderno M anual da Psicologia
Comportamental.

Profa. Dra. Maria Martha Costa Hübner

&fa sn GUANABARA KOOGAN

w w w . g r u p o g e n . c o m . b r
http://gen-io.grupogen.com .br

http://www.grupogen.com.br
http://gen-io.grupogen.com.br

Similer Documents