Download ABNT 15847 - Amostragemd e água subterrânea em poços de monitoramento - Métodos de Purga PDF

TitleABNT 15847 - Amostragemd e água subterrânea em poços de monitoramento - Métodos de Purga
File Size186.8 KB
Total Pages20
Document Text Contents
Page 10

© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados 5

ABNT NBR 15847:2010

5.5 Hidráulica do poço

A seleção de um método de purga deve incluir uma avaliação das condições hidráulicas do poço
a ser purgado, que são diretamente relacionadas à transmissividade da formação, ao coefi ciente
de armazenamento específi co e ao projeto, construção, desenvolvimento e manutenção do poço.
A hidráulica do poço e da formação (a distribuição tridimensional da carga hidráulica) infl uenciam
a razão com que a água fl ui através ou entra no poço sob condições de fl uxo laminar. Estratégias
de purga são comumente categorizadas como adequadas para poços de alta ou baixa capacidade
hidráulica.

5.6 Manejo de água purgada

Manejar a água purgada de acordo com os regulamentos defi nidos no plano de amostragem e análise
em conformidade com a legislação vigente. Pode ser preferível que se selecione um método de purga
que minimize o volume purgado (ver nota de 4.6).

5.7 Estado de conservação dos poços

O estado de conservação de um poço pode afetar o método de purga, ao limitar a escolha de
equipamento. Por exemplo, em função de alterações como rachaduras no revestimento e juntas,
curvatura do revestimento, problemas na laje de proteção, estanqueidade dos tampões, falta de
limpeza etc.

5.8 Qualidade do poço

Poços com turbidez excessiva ou material sedimentado podem indicar que o projeto e a construção
não foram adequados ou que a etapa de desenvolvimento não foi realizada de maneira adequada
ou completa, e necessitarão, desta forma, ser redesenvolvidos ou reconstruídos. Caso seja necessário
executar o redesenvolvimento, este deve ser realizado anteriormente à purga, e considerando um
intervalo de tempo de no mínimo 10 dias para execução da amostragem.

5.9 Geoquímica do subsolo

O conhecimento da geoquímica da subsuperfície pode ser útil na escolha do método de purga que
melhor atenda à necessidade da remoção da água estagnada. Além disso, tal conhecimento pode
ajudar a se fazer a distinção entre a água vinda do aqüífero e a água existente no interior do poço.
Interações químicas e biológicas entre a água subterrânea, gases e materiais sólidos do aqüífero,
bactérias ou mesmo o material do próprio poço podem alterar a química da água existente no poço
ou em sua vizinhança. Gases dissolvidos podem ser transportados para dentro e para fora da seção
fi ltrante e adicionados ou removidos da água subterrânea pela superfície da coluna da água no poço.

5.10 Características hidrogeológicas

A otimização da vazão de purga requer que se leve em conta as particularidades hidrogeológicas que
controlam o sentido e a velocidade de fl uxo da água, além do transporte de colóides e material em
suspensão. A dinâmica da água subterrânea não deve ser alterada de forma signifi cativa durante a
purga, de modo a evitar que água de áreas distantes do ponto de monitoramento seja atraída por fl uxo
induzido ou por inversão do sentido de fl uxo, causados por taxas de purga elevadas ou períodos de
purga muito longos.

E
x
e
m

p
la

r
p
a
ra

u
s
o
e

x
c
lu

s
iv

o
-

P
E

T
R

O
L
E

O
B

R
A

S
IL

E
IR

O
-

3
3
.0

0
0
.1

6
7
/0

0
3
6
-3

1

Impresso por: PETROBRAS

Page 11

© ABNT 2010 - Todos os direitos reservados6

ABNT NBR 15847:2010

6 Critérios de rebaixamento do nível da água durante a purga

Independentemente do procedimento de purga adotado (purga de volume determinado ou purga
de baixa vazão), e excetuando-se o processo de purga mínima, o rebaixamento do nível da água
do poço durante a purga deve ser minimizado, de forma a satisfazer os requisitos necessários
e a permitir a execução do trabalho em tempos aceitáveis. Rebaixamento excessivo altera a condição
natural de fl uxo no entorno do poço e, conseqüentemente, de movimentação da pluma, refl etindo
também nas características químicas e bioquímicas da amostra. Dois efeitos negativos potenciais
são a captação de água que não é representativa da formação existente ao redor do poço de
monitoramento e o aumento da turbidez da água devido ao aumento artifi cial da velocidade de fl uxo
da água subterrânea. O aumento da turbidez causado durante a purga pode resultar em alterações
nos resultados analíticos. O rebaixamento excessivo também pode causar o escoamento de água
a partir do topo do tubo-fi ltro, levando a uma perda dos gases dissolvidos, alteração no estado
de oxidação/redução da água e aprisionamento de ar no pré-fi ltro. Tais mudanças podem resultar na
alteração da concentração de compostos orgânicos voláteis ou bioatenuáveis e na oxidação de metais
dissolvidos. A alteração na concentração de gases dissolvidos e, conseqüentemente no estado de
oxirredução, pode ser prolongada pela introdução e aprisionamento de ar no pré-fi ltro. Em nenhuma
cirscunstância recomenda-se que os poços de monitoramento sejam purgados até o seu completo
secamento. Se disponível, dados gerados em trabalhos anteriores de desenvolvimento e purga
do poço de monitoramento devem ser considerados na defi nição e seleção do melhor procedimento
de amostragem a ser utilizado.

Em função disto, considera-se que o rebaixamento do nível da água durante a purga deve ser sempre
controlado, qualquer que seja o método de purga adotado. Desta forma, como premissa básica para
a execução da purga de um poço de monitoramento, os seguintes critérios de rebaixamento devem ser
aplicados em poços com boa produção de água:

a) o rebaixamento do nível d’água durante a purga deve ser o mínimo possível para reduzir o tempo
de purga, evitar uma perda de carga excessiva e escoamento pronunciado de água pelo topo
do tubo-fi ltro;

b) para poços com seção fi ltrante plena: a estabilização do rebaixamento deve ocorrer no máximo
a 25 cm do nível estático;

c) para poços com o nível d’água acima do topo do tubo-fi ltro (fi ltro afogado): preferencialmente,
o nível d’água deve se estabilizar acima do topo do tubo-fi ltro. Caso isso não seja possível, esta
estabilização deve ocorrer no máximo a 25 cm abaixo do topo do tubo-fi ltro.

NOTA São considerados poços com boa capacidade hidráulica aqueles construídos e desenvolvidos de
acordo com as orientações defi nidas, respectivamente, nas ABNT NBR 15495-1 e ABNT NBR 15495-2, e que
possibilitem a aplicação dos critérios de rebaixamento defi nidos anteriormente, quando bombeados a uma
vazão de 50 mL/min ou maior.

7 Métodos de purga

7.1 Purga de volume determinado

7.1.1 Descrição do método

Este método consiste na remoção de determinado volume de água subterrânea do poço antes de se
proceder à amostragem, com a fi nalidade de assegurar que água representativa da formação será
coletada. Com base no diâmetro do tubo-fi ltro, da profundidade do poço e profundidade do nível da

E
x
e
m

p
la

r
p
a
ra

u
s
o
e

x
c
lu

s
iv

o
-

P
E

T
R

O
L
E

O
B

R
A

S
IL

E
IR

O
-

3
3
.0

0
0
.1

6
7
/0

0
3
6
-3

1

Impresso por: PETROBRAS

Similer Documents